Ser ou não ser Sr. Dr.

O caso Relvas cabalmente explorado por todo o tipo de comunicação social e na blogosfera (como neste caso) tem invadido todos os meios de comunicação nas ultimas semanas.

A forma como o Ministro Miguel Relvas pelos vistos conseguiu a sua licenciatura segundo tudo o que se tem lido realmente não foi das formas mais pedagógicas.

Situação que obviamente levanta descontentamento por quem passou pelo “calvário” pré Bolonha de 5 ou mais anos para tirar uma licenciatura, e quem pelo sistema pós Bolonha garantidamente nunca conseguiu ou conseguirá a proeza de conseguir obter certificação em 90% de um determinado curso baseado em experiencia de vida e profissional.

Além de todos os descontentamentos anteriores não esquecer que actualmente devido a crise financeira que se abateu sobre a maioria das famílias portuguesas existem imensos jovens que estão com imensa dificuldade em terminar os seus cursos por falta de capacidade financeira, obviamente que situações destas não caem bem.

Mas o que me tem deixado mais espantado é que com todo o pé-de-vento que se tem levantado a volta do assunto ainda não vi ninguém a questionar o básico.

Mas o homem afinal tem capacidade para exercer a função que lhe foi atribuída ou não?

Será a questão de a legitimidade da sua licenciatura uma questão fundamental para o exercício das suas funções?

Segundo o Primeiro-ministro independentemente de estar a par potencialmente da forma menos “católica” da obtenção de tal famigerada licenciatura creio que a pessoa terá sido escolhida pelas capacidades e não pelo diploma. Mas compreende-se este assorear a volta do assunto, afinal de contas o jogo de cadeiras no governo, de interesses instalados em grupos económicos e o interesse da oposição em ver um governo fragilizado faz parte deste “mundo” chamado politica.

Advertisements
Com as etiquetas , , ,

One thought on “Ser ou não ser Sr. Dr.

  1. ruibrandao diz:

    Por acaso até acho que o grau de licenciado foi obtido de forma muito pedagógica. Para todos. Agora duvido é que quem deveria aprender algo com o assunto esteja a aproveitar a questão, ao invés de se deixar encadear pelo ilusionsmo dos interessados em descarrilar qualquer menção de privatização da RTP.

    Mas amanhã falo sobre o assunto 🙂

GRITAR um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: