Monthly Archives: Agosto 2012

A justiça, a propriedade e a maçã

Estranho título sem dúvida…

Saindo do rectângulo, que discute de forma lânguida e formato de final de silly season o destino a dar a um sorvedouro de dinheiro público – ou antes, dinheiro dos portugueses- nomeadamente se se deve manter o sorvedouro transferindo a propriedade e acabar com a única parte útil (se bem que claras característicias de “de estimação”), sem se discutir o princípio das coisas, os EUA estiveram entretidos com processo judiciais sobre tecnologias.

A Apple ganhou um processo (julgado a 20 km da sua sede) contra uma empresa coreana sobre cópias e patentes. E ganhou uma pipa de massa com o assunto. Ou antes, poderá vir a ganhar, que a coisa ainda não acabou, longe disso.

Mas, começando pelo princípio, os Estados Unidos foram constituídos como uma república baseada no primado da lei – provavelmente o primeiro país do mundo a ser constituído desta forma em termos tão claros. E implementou a ideia da revolução francesa da tripartição de poderes (nós, tal como a maioria dos países democráticos, na prática só temos uma bipartição – já não é nada mau. Perguntem na Rússia como é).

Mas voltando ao primado da lei, diremos que “a coisa” – o sistema judicial, as leis publicadas, os juízes, advogados, ganharam uma vida própria e autojustificam-se. E a relação entre o direito e justiça é, muitas vezes, bastante ténue.

O sistema de patentes americano está “borked”. Eu acredito na justeza da protecção da propriedade intelectual. A mesma é protegina na constituição americana. Mas patentear ideias e conceitos é um abuso de pseudo propriedade intelectual – e um convite à estupidez.

Especialmente quando as ideias não são deles – não deixa de ser interesante quando alguém, com bolsos cheios e muitos advogados, patenteia algo que foi criado por terceiros. O que, tendo em conta a natureza de propriedade, equivalerá a tentativa de roubo – ou se tentar excluir terceiros da mesma, tentativa de extorsão. Legalmente suportada, claro está.

Assim, nestes tempos de “idiocia legalista” americana, temos processos cuja realidade parece kafkiana. E a possibilidade das patentes “etéreas” se constituirem como uma nova forma de proteccionismo.

Alea jacta est, num país em que um estudante foi condenado ao pagamento de 675 mil USD pelo download e partilha ilegal de 30 músicas. Isto por causa de leis inadequadas feitas por políticos muitas vezes de, diremos, interesses pessoais duvidosos.

Será o primado da lei o fim da justiça? Creio que não, mas se não tivermos cuidado e fizermos algum “sanity check”…

Com as etiquetas , ,

E porque não…

Perguntar aos portugueses quanto estão dispostos a gastar num serviço público de televisão?

Tal serviria para determinar o que fazer à RTP – 1, 2 e restantes.

Claro que perguntar aos portugueses o destino a ser dado ao seu dinheiro seria revolucionário.

Adeus Televisão

Relvas, António Borges e Passos Coelho pretendem acabar com a RTP 2 a Antena 3 e privatizar os restantes canais!
Assim termina o que para mim é o melhor canal em sinal aberto, aquele que permitia o seu público, heterogéneo e ecléctico, manter-se acima da linha de estultificação fornecida pelos restantes canais de sinal aberto. Porque era caro e o público era menos numeroso foi uma justificação. Curioso que aqui já não abordem a questão da ditadura da maioria, mas na plutocracia caciquista vigente, a palavra de Balsemão é lei, e os amigos de negócios da NewsHold, já forram os bolsos a Relvas, para se apoderarem dos canais e assim fazer a censura contra tudo o que fale de forma transparente acerca do regime cleptocrata vigente na República “Democrática” de Angola.
Quem também lucra com isso são a PT e a Zon, as quais fizeram lobby para tornar a TDT portuguesa numa ridicularia que nos envergonha, não só na Europa, mas em comparação a países como Marrocos e Argélia. Menos canais e menos variedade de conteúdos nos canais abertos, significa mais pessoas a irem para a Televisão paga (ou melhor, a manterem-se, porque com a crise, o número de clientes até deveria descer).
Finalmente a privatização do organismo que tutela o maior arquivo audiovisual de Portugal, vai certamente levar ao esbulho desse espólio que deveria ser considerado património nacional e conservado por instituições públicas com técnicos especializados.
É assim que os sucateiros vão vendendo, com lucro para si, património e memória e negam às minorias (e o mais curioso é a direita considerar que quem defende este ponto de vista é elitista!), formas de escapar ao cilindro esmagador da televisão do reality show e telenovela, que só diminuem e estupidificam quem só tem uma caixa mágica para ver e imaginar o mundo.

Uma pequena pergunta de Silly Season…

Será que os portugueses perceberam porquê que chegámos ao doce abraço da Troika e o que significa o Estado ter ido à falência?

Infelizmente creio que muitos ainda não perceberam – e, se tivermos sorte, nunca irão perceber.