Silly Country

Antes fosse silly season. De certa forma, é, mas permanente.

A que me refiro?

À suicidária tendência nacional de passar o tempo a discutir o “diz que disse” – o acessório. O que importa é se o Sr. António Borges disse chamou aos empresários de ignorantes, se o Sr. Seguro disse que não quer ser governo enquanto não houver dinheiro, se o Presidente da República vai escrever sei lá o quê o prefácio ou se o concorrente da casa de segredos fez sei lá o quê (se é que isso está no ar – apenas “acompanho” pelos cartazes da rua).

Já discutir a evolução do desemprego, a competitividade das empresas, os regimes fiscais comparados, as despesas do Estado, a balança comercial, o rácio de alunos por professor, a evolução demográfica, a justiça fiscal e distributiva deste país é algo que não nos preocupa.

Adoramos exprimir opiniões, mas não debatemos factos.

Claro que isto é uma opinião 🙂

Advertisements
Com as etiquetas ,

3 thoughts on “Silly Country

    • luiscorujo diz:

      Isso é muito perigoso. É preciso pensar, que é cansativo. E depois ainda reprovamos na cadeira do Borges

    • ruibrandao diz:

      Sem dúvida que, para além de cansativo é, como disseste muito bem, perigoso. Claro que evitar esse eprigo (para uns) leva-nos ao estade de perigosidade em que nos encontramos (quase todos).

GRITAR um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: